Espaços subutilizados das áreas comuns ganham vida com o plantio de alimentos e temperos

O grupo imobiliário Lello lançou, em dezembro passado, o projeto “Nossa Horta” com o objetivo de criar hortas urbanas em mais de três mil condomínios do Estado de São Paulo. A iniciativa é do Lellolab, laboratório de inovação da vida comum, em parceria com a startup Loa Terra, que promove a agricultura urbana, compostagem de resíduos e ocupação inteligente e sustentável de espaços urbanos.

A ideia é aproveitar os espaços subutilizados das áreas comuns dos condomínios para o plantio de ervas, temperos, alimentos frescos e orgânicos para serem consumidos pelos moradores e até pela comunidade onde estão inseridos. A primeira horta foi criada em um prédio comercial da Mooca, em São Paulo. Um canteiro foi transformado em uma grande horta, com várias culturas como tomates, alecrim e salsinha, entre outras.

Segundo a Loa Terra, “a agricultura urbana promove o contato com a terra, com a origem dos alimentos e com os ciclos naturais que geram uma série de benefícios, inclusive terapêuticos, de conexão com este universo geralmente ‘distante’ da rotina urbana. O cultivo de alimentos na cidade cria novos pontos de integração e aprendizado, ocupação inteligente e sustentável de espaços, além de gerar alimentos frescos e sem agrotóxicos.

Grandes cidades como Nova Iorque, Berlim e Tóquio exibem algo em comum além dos arranha-céus, do trânsito e da população numerosa: lajes ocupadas por fazendas urbanas que produzem alimentos frescos e sem agrotóxicos logo ali, do lado de quem logo irá consumi-los. As lajes são perfeitas para este uso: recebem bastante sol, muitas vezes são espaços ociosos ou subutilizados, estão mais altas que a rua onde circulam os automóveis o que mantém a poluição ‘pesada’ mais afastada, além de poder ser um espaço a mais de lazer, integração e contemplação da cidade”.


Fonte: Grupo Souza Lima

Leia também

More in:Artigos